energia criativa


Projeto de pesquisa

A Eólica está fazendo um projeto de pesquisa e precisa falar com pessoas que morem nos bairros da mooca, ipiranga, cambuci, vila prudente e vila carioca.

Se você for morador de um desses bairros e puder bater um papo rápido com a gente na semana que vem, por favor, responda a este post, nos mande uma mensagem ou mande um e-mail para mariana.vidigal@grupoeolica.com.br.

Obrigada!!

Categorias: Pesquisa, Projetos

Semana do núcleo de design Belas Artes

A Faculdade Belas Artes está promovendo a Semana do Núcleo de Design.

Ficamos muito felizes em dividir com vocês que hoje a Nicole Unger, sócia e diretora da Eólica, participará do evento, na mesa redonda “Design estratégico e inovação: processos, pensamentos e ações.”, mediado por Rafael Toledo, ex-aluno da Belas Artes e analista de estratégia e inovação do Gad’Innovation.

Quem quiser e puder comparecer a interessante debate, será muito bem vindo!

cartaz_design-estrategico

Categorias: Eólica, Eventos

Mundo digital

Trabalhar na Eólica não é apenas estudar, criar, repensar e achar a melhor solução para o cliente. É também utilizar das melhores ferramentas disponíveis no mercado para potencializar o tempo de trabalho e os deslocamentos da equipe.

Como a Eólica se divide entre São Paulo, Florianópolis e seus vários clientes, estar conectado e poder trabalhar de forma mobile é mandatório para nossa equipe.

Por isso, buscamos diversas ferramentas que possam auxiliar nesse processo.

Para reuniões, debates e conversas, escolhemos o skype.

 

 

 

 

 

 

 

Uma ferramenta que possibilita conversas escritas, por voz ou mesmo video conferências. Vários de nossos clientes já experimentaram fazer reuniões por skype, o que otimizou tanto o tempo de deslocamento, tomada de decisão e debate sobre questões fundamentais.

Para trabalhar em conjunto em um mesmo arquivo, utilizamos o Google Docs.

 

 

 

 

 

 

 

O Google Docs possibilita aos usuários criarem documentos, planilhas, apresentações, como nos programas do Office, só que de forma online. Ou seja, dois ou mais usuários podem editar o mesmo documento ao mesmo tempo. Isso diminui a quantidade de versões e tempo gasto na espera por arquivos revisados.

Para mandar e enviar arquivos trabalhamos de duas formas, como o Dropbox ou o Wetransfer.

 

 

 

 

 

 

 

O Dropbox possibilita um gerenciamento de arquivos online. Ou seja, você consegue criar pastas online e dar permissão para que outras pessoas acessem essa mesma pasta. Este programa facilita a troca de arquivos para a construção de apresentações.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Já o We transfer funciona como uma forma de mandar arquivos mais pesados entre nós e para o cliente, sem comprometer a caixa de entrada do e-mail. Nós subimos os arquivos no we transfer, ele envia o link para download do arquivo e nós usamos esse link quando quisermos acessá-lo.

Ou seja, o Dropbox é para quando a troca de arquivos se torna muito constante e o we transfer utilizamos de forma mais pontual.

Nessa semana acompanhamos o lançamento de mais uma ferramenta de auxílio, o Google Drive. Ele promete ser algo similar ao dropbox, mas com a vantagem de também poder usar a ferramenta do Google Docs para editar esses mesmos arquivos. Esse ainda não testamos, mas estamos curiosos para saber o que as novas ferramentas de integração e socialização de arquivos poderá fazer pela Eólica.

Categorias: Dicas, Eólica, Projetos

Salão Flor de Maria

Nos últimos meses, a Eólica  trabalhou no projeto de identidade visual do novo salão de beleza Flor de Maria. O projeto do design de interiores do salão é de nossa amiga e parceira Nathalia Emmi Assamura.

O objetivo era criar uma identidade visual que transmitisse leveza, feminilidade e aconchego e que se diferenciasse dos concorrentes.

Nos inspiramos na flor miosótis e em elementos da natureza, para criar o símbolo da marca.

Image

A sobreposição e transparência do símbolo contribuíram para a construção de uma identidade única.

 

Para garantir uma comunicação sólida e eficaz, desenvolvemos elementos para compor a identidade visual do salão, como cartão de visita, cartão promocional, sinalização da fachada, uniforme, toalha e lista de preços.

Vale a pena conferir de perto o resultado desse trabalho. O salão Flor de Maria fica na Rua Caraíbas 478, em  Perdizes. O telefone é  11 2609.9330.

Categorias: Design, Eólica, Projetos

O mal de Rafael

Eu, Mariana Vidigal, uma das diretoras da Eólica, fiz pós em Ciências do Consumo, pela ESPM. Umas das aulas mais interessantes foi com o professor Romeo Deo Busarello, de marketing. Essa aula nos fez repensar muitos sobre nossos conceitos, quebrar barreiras e mostrar exemplos práticos e úteis no nosso dia-a-dia. Um dos textos dado em aula que mais impactou minha percepção sobre o mercado chama-se “O Mal de Rafael”, que fala sobre o uso da subjetividade e preferências pessoais na tomada de decisão.

Segue o texto na íntegra, escrito por Jaime Troiano, que originalmente saiu na Revista Consumidor Moderno:

O Mal de Rafael

Há pouco tempo, eu disse a um conhecido, o Rafael, qual era a participação de mercado aproximada da Coca Light. E ele me disse: “Jaime, não é possível, deve ser muito mais alta. Todo mundo que eu conheço toma Coca Light!” Fui obrigado a concordar: quase todo mundo que ele conhece toma Coca Light. Dentro do grupo social por aonde ele e eu andamos e o tipo de consumidor que conhecemos, de fato, Coca Light tem market share bem alto!

Os problemas começam quando profissionais de comunicação e marketing trazem ingênua e inadvertidamente essas verdades pessoais para o escritório. Enquanto Rafael continuar o trabalho que faz hoje e não incursionar nessa nossa profissão, estaremos protegidos contra suas crenças pessoais. Mas se ele um dia tentar a vida na área de marketing e comunicação – Deus queira que não! – aí teremos de nos preocupar com seus palpites.

Mesmo assim, o problema continua: o mercado tem ‘rafaéis’ em abundância. Muitas vezes eles têm visões pessoais sobre a experiência de vida de seres próximos: “Não é que meu filho seja uma amostra válida, mas…”. E aí vem a pérola sobre o amplo conhecimento deles a respeito de valores, visão de mundo e comportamento de consumo dessa geração. Outras vezes, eles partilham intimidades conjugais: ?Minha esposa fica irritadíssima quando vê esses comerciais em que o produto…?. Não é preciso muito esforço para imaginar o que vem depois: um rico painel de opiniões sobre como certos tipos de mulher reagem a certas propagandas, por exemplo. Além de filhos e esposas, podem ser a mãe ou os amigos íntimos do Rafael – nesse último caso, a idéia surge sempre durante um churrasco ou no retorno da ponte-aérea.

Brincadeiras à parte, arbitrariedade e subjetividade continuam sendo fonte inesgotável de idéias para definição de público-alvo nos trabalhos de marketing e comunicação das empresas. Essa visão etnocêntrica em marketing, vendo o mercado a partir da ótica pessoal e tribal do executivo, é bem freqüente – ainda que muitas vezes travestida de intuição (“algo me diz que…”).

No fundo, essa síndrome na escolha e caracterização do público-alvo tem duas fontes e traz pelo menos duas consequências negativas. O “mal de Rafael” nasce das seguintes fontes:

1. Um certo sentido de onipotência, comum em nossa profissão: um sentimento que nega de forma absoluta um princípio básico encontrado em qualquer cartilha de marketing: o único ser soberano em todo o processo chama-se consumidor. Ou somos capazes de nos despojar humildemente de impressões subjetivas e de entendê-lo objetivamente, ou estamos fritos.

2. A segunda é quase um espelho da primeira: ainda são baixos e irregulares os investimentos em estudos de comportamento de consumidor. Poucas empresas separam regularmente em seu orçamento verbas razoáveis para essa finalidade. Na maioria dos casos, nos sentimos como o pediatra que recebe uma chamada às duas da manhã porque um garoto está com 39 graus de febre. Febres e cataporas são meio inevitáveis, mas que tal visitar mais periodicamente o pediatra para entender melhor a saúde de seu filho?

A comparação pode não ser perfeita, mas a falta de estudos “profiláticos” e regulares sobre comportamento de consumidor abre um enorme espaço para as divagações e o uso indevido da pura subjetividade pessoal.

A boa notícia é que o “mal de Rafael” não só tem cura como é facilmente detectável em diagnósticos precoces!

- Jaime Troiano é diretor da Jaime Troiano Consultoria de Marca

Categorias: Dicas, Pesquisa